Êxito total em Pernambuco, o Programa Trabalho, Justiça e Cidadania ganhou novos ares e passou a atuar no interior do Estado. Com apoio da Coordenação Geral de Desenvolvimento da Educação (CGDE) Vale do Capibaribe, se fortaleceu no Agreste; e, no Sertão, com a integração da Universidade de Pernambuco (UPE).

Em dois anos, inicialmente no Recife (por meio da GRE Recife Norte,) e depois no interior,  foram beneficiadas mais de 10 mil alunos e capacitados em torno de 500educadores, sobre temas relacionados ao programa, como direitos humanos e trabalhistas.  Na nova etapa, foram iniciadas rodas de conversas nas 13 escolas visitadas, com os juízes do trabalho compartilhando conhecimento com os estudantes e orientando sobre as preocupações dos jovens sobre o mundo do trabalho.

No Sertão, o primeiro município a receber o TJC foi Arcoverde, no curso de Direito da UPE. Em sala de aula, os universitários debateram questões relacionadas ao programa e estão elaborando uma cartilha em formato de cordel alertando sobre o trabalho escravo.

Essa integração com outras entidades propiciou a realização de outras frentes de atuação, como a audiência pública realizada em Frei Miguelinho (Região Agreste) para discutir e alertar a população sobre os impactos do trabalho infantil. O evento reuniu juízes do trabalho, professores, representantes do Executivo e do Legislativo municipal, na quadra da Escola de Referência em Ensino Médio São José. A AMATRA também esteve em Araripina para discutir o trabalho infantil na região com agentes da municipalidade e o conselho tutelar.