Pela primeira vez realizada por meio virtual – em decorrência da pandemia da Covid-19 – a capacitação de professores e gestores que atuarão no Programa Trabalho, Justiça e Cidadania (TJC) este ano alcançou excelentes resultados.

Foram quase dez horas de debates, palestras e troca de conhecimentos, entre os dias 31 de maio e 02 de junho, abordando temas objetivos e transversais que serão tratados em sala de aula com os alunos e alunas das escolas contempladas pelo programa em 2021.

A coordenadora do TJC, a juíza Carmen Richlin, avalia que o modelo funcionou perfeitamente, com os participantes integrados e animados em levar o programa aos estudantes. “Nosso objetivo é difundir noções de direitos humanos e trabalhistas junto aos jovens que estão prestes a ingressar no mundo do trabalho, ampliando seus olhares para questões que são essenciais para garantir sua cidadania”, afirmou a juíza.

Ela destaca que, em Pernambuco, o programa ganhou uma amplitude maior na abordagem do tema principal. “Nacionalmente, o enfoque será “Mulher, Trabalho e Sociedade”, mas aqui agregamos o recorte “Paulo Freire e o TJC – Trabalho, Justiça e Cidadania na Escola. Um diálogo antirracista, da erradicação do trabalho infantil e da violência contra a mulher”, completou.

A presidente da Amatra VI, Laura Botelho, reforçou a importância do TJC tanto para os magistrados e magistradas, que são, em sua essência, agentes de transformação social e, portanto, devem estar cada vez mais perto dos cidadãos; quanto para os jovens estudantes, que ganham com os novos conhecimentos adquiridos e exercem a função de multiplicadores em suas famílias e na própria comunidade a que pertencem.

Programação – A cerimônia de abertura da capacitação contou com a presença da professora Neuza Maria Pontes Mendonça, da Gerência Regional Recife Norte, representando a Secretaria Estadual de Educação; da presidente do TRT6, desembargadora Maria Clara Saboya; da diretora de Cidadania e Direitos Humanos da Anamatra, Patrícia Ramos, representando o presidente da entidade; da procuradora-chefe do MPT/PE, Ana Carolina Ribemboim; e do advogado Marcondes Oliveira, representando a OAB/PE, além de magistrados e magistradas do trabalho engajados (as) na iniciativa.

Como palestrantes, participaram a deputada Delegada Gleide Ângelo, o juiz estadual Abner Apolinário; e os magistrados do trabalho Ana Freitas e Hugo Melo; a procuradora do Trabalho Débora Tito e o promotor de Justiça André Felipe Barbosa de Menezes

Entre os assuntos abordados nos três dias da capacitação, temas atuais como a violência contra a mulher, ética, trabalho infantil e normas legais de proteção, que constam do Estatuto da Criança e do Adolescentes (ECA), preconceito, discriminação e os impactos desses comportamentos no ambiente de trabalho.