Começou, na noite desta quarta (27/9), em Porto de Galinhas (PE), a sexta edição do Encontro Nacional de Magistrados do Trabalho Aposentados – ativos para uma aposentadoria plena. O evento, realizado pela Anamatra, reúne 100 participantes,  entre eles diretores da Associação e das Amatras, e segue até esta sexta. Esta edição do Encontro conta com a parceria da Associação dos Magistrados do Trabalho da 6ª Região (Amatra 6/PE).

Ao abrir o evento, o diretor de Aposentados da Anamatra, Rodnei Doreto, destacou a importância do Encontro como momento de troca de experiências. O dirigente destacou a presença de dois aposentados decanos presentes ao evento: a juíza Anna Britto da Rocha Acker, da 1ª Região, e o juiz Adil Todeschini, da 4ª Região, que participaram ativamente do movimento associativo. “São exemplos de vitalidade e força que estão aqui entre nós”.

O presidente da Amatra 6 (PE), Adelmy Acioli, também falou do movimento associativo, ressaltando a importância dos magistrados aposentados seguirem na atividade “como exemplo aos mais novos e buscando o reconhecimento de tudo que fizeram pelo fortalecimento da democracia”. O presidente também lembrou a história de lutas libertárias de Pernambuco.

O Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região foi representado no Encontro pela desembargadora Nise Pedroso, diretora da Escola Judicial do Tribunal. Ao saudar os participantes, a magistrada abordou o processo de transformação que a Justiça do Trabalho enfrenta. “Devemos construir essa mudança, fincados na realidade, mas sem perder a serenidade”, disse.

Corpo uno – Em sua intervenção, o presidente da Anamatra, Guilherme Feliciano, defendeu a importância da união dos juízes em prol de todos, reconhecendo a Magistratura como um corpo único. “Os senhores, antes de serem aposentados, são, como nós, magistrados. E nós estamos aqui reunidos buscando justamente essa integração”, disse.

“Se esses são tempos de fragmentação, de entropia, de maniqueísmos, façamos nós o trabalho de recompor. Constitucionalmente, a Magistratura é una, daí o atributo do predicamento da vitaliciedade. Se nós reconhecermos isso, ao menos na dimensão discursiva, isso já vai ser uma realidade. E esse Encontro é para que nos integremos e para que as lutas saiam daqui coordenadas e convergentes”, finalizou o presidente.

Também compuseram a mesa da solenidade de abertura os diretores de Prerrogativas e Assuntos Jurídicos e de Assuntos Legislativos da Anamatra, respectivamente, Luiz Colussi e Paulo Boal.

Cultura – No encerramento da solenidade, o Balé Cultural de Pernambuco fez uma apresentação com uma mostra de várias manifestações do Estado, como maracatu, frevo e canções do movimento mangue.

 

 

Conteúdo produzido pela Assessoria de Imprensa da Anamatra